A carta que nunca te escrevi...


Não me odeie nunca, embora eu ache que você nunca vai me odiar. Mas seu orgulho pode ser seu maior inimigo. Então, fale sempre o que quiser comigo. Mesmo que seu orgulho não deixe, por favor, não se deixe vencer por ele. Ele é uma faca de dois gumes. Como tudo na vida é. Eu sou uma faca de dois gumes. Mas não me odeie nunca.

Eu não sei cuidar tão bem de mim quanto gostaria e sei que muitas vezes o que faço comigo, eu não mereço. Não mereço todo esse rancor de mim mesma, todas essas marcas pertencem a mim, fazem parte do que eu sou... Mas eu sei que não consigo me odiar por mais que eu não me aprove, então, por favor, nunca me odeie...

Sing me to sleep
And then leave me alone

[...]

Deep in the cell of my heart
I really want to go

There is another world
There is a better world
Well, there must be
Well, there must be
Bye bye.

(Asleep - The Smiths)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menina do sorriso

Fragmento (i)letrado

Roleta Russa